Português (Brasil)English (United Kingdom)
Meio Ambiente
Projeto em total harmonia com o meio ambien..
Tecnologia Care
Uma nova concepção de turbina com a função de gerar energia elétrica..


Fatores Econômicos

Custos comparativos CARE e outras Hidroelétricas

Considerações Sociais
Prover o mundo com uma fonte de energia limpa.

Reportagem CNN

Animação - Português BR

Fatores Econômicos

E-mail Imprimir PDF
Índice do Artigo
Fatores Econômicos
Fatores Econômicos
Todas as Páginas

CUSTOS DA TECNOLOGIA CARE

A realidade entre a potência instalada e a efetivamente gerada

Antes de apresentar as estimativas do valor de uma unidade geradora CARE-ELECTRIC, com capacidade de geração de 1 MWH, é necessário esclarecer a relação Potência Instalada X Potência Efetiva.

Potência Instalada é a soma dos valores que estão nas placas de identificação de cada gerador instalado. É normalmente utilizada para PCH (Pequena Central Hidrelétrica) ou usina hidrelétrica. Por exemplo, quando são montados três geradores com capacidade de 1000 kWh cada, totalizando 3000 kWh ou 3 MWH, este total representa a Potência Instalada e é adotada para definir o custo do megawatt. Entendemos que para o cálculo deste custo deveria ser considerada a Potência Efetiva, ou seja, aquela que realmente será gerada.

Abaixo apresentamos um exemplo mais detalhado sobre o impacto no custo quando utilizamos a Potência Instalada e a Potência Efetiva:

De acordo com a literatura disponível, o custo de instalação de uma unidade tipo PCH é de R$ 5.500 por kWh e sua eficiência é de   60%. Esta eficiência é a relação entre a Potência Instalada e a Efetiva. Em nosso exemplo, uma PCH com capacidade instalada de 3.000 kWh ou 3 MWH, teria um custo total de R$ 16.500.000,00, ou seja, R$ 5.500 multiplicado por 3.000 kWh.

Considerando a eficiência de 60%, o custo do kWh eleva-se significativamente para R$ 9.166,67 por kWh. Isto acontece porque para o mesmo custo de R$ 16,5 milhões, temos 1.800 kWh efetivamente gerados.

Precisamos destacar que para cada 1.000 kWh instalados gera-se somente 600 kWh, o que leva ao aumento de 83% no custo por kWh gerado por uma PCH.

No sistema de turbinas CARE-ELECTRIC, a Potência Instalada é praticamente igual à Potência Efetiva.

As turbinas foram projetadas de forma que o rotor sempre atinja ou supere a rotação máxima do gerador. Além disso, seu comprimento permite que um maior volume de água do rio exerça pressão hidráulica sobre as pás fixas em seu perímetro externo, obtendo assim um torque com intensidade superior ao quê é exigido pelo gerador na potencia máxima. Portanto, o percentual hidráulico excedente mantém os geradores da instalação a plena carga ou gerando a potência total instalada, mesmo se houver uma redução na vazão do rio.

Outro fator relevante é que a perda mecânica do sistema é ínfima, pois o gerador esta acoplado diretamente à ponta de eixo do rotor da turbina.

Por estes e outros motivos, no sistema de turbinas CARE-ELECTRIC a Potência Instalada é considerada praticamente igual à Potência Efetiva e influi diretamente no custo do kWh instalado. Isto resulta em um melhor custo/ benefício para a instalação.

Outros fatores importantes que devem ser considerados para avaliar a viabilidade econômica das turbinas CARE-ELECTRIC são:

1. As unidades são controladas e operadas por satélite sem a necessidade de pessoas in loco;

2. O tempo entre o projeto, a fabricação, a montagem e o startup de uma instalação, dependendo da potência, é de até 12 meses. Este tempo será ainda mais curto com a otimização do processo fabril;

3. Não inunda terras, portanto dispensa custos com desapropriações e realocação da fauna e flora;

4. O fluxo do rio e seu leito permanecem inalterados;

5. O sistema de turbinas CARE-ELECTRIC dispensa o uso de grades, portanto não retém os materiais em suspensão e em constante movimento dentro do leito do rio; e

6. Várias unidades podem ser instaladas ao longo de um mesmo rio, aumentando o potencial energético da região.


·
ORÇAMENTO

Solicite uma cópia da planilha de 1MW e ou a de 167kwh para potências menores em locais sem acesso da Rede de Distribuição, por nosso formulário de Contato ou pelo email: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

Para que o orçamento seja o mais próximo possível do custo real final, independente do objeto orçado, o mesmo deve ser bem elaborado. Para que isso aconteça, são necessárias informações indispensáveis para o seu desenvolvimento, entre elas, ter um anteprojeto e dados básicos do que se pretende fazer.

Os orçamentos aqui apresentados são referentes à fabricação e montagem do sistema de turbinas da CARE-ELECTRIC. Para isso, é necessário conhecer as condições naturais do rio proposto, tais como a vazão média anual e a altura de suas margens. Com estas informações é possível dimensionar e projetar o potencial energético do local selecionado e possibilitar uma análise de custo/benefício para o projeto.

É importante frisar que cada projeto é único, pois possui características específicas, apesar do sistema de turbinas ser modular. Isso significa que as dimensões das turbinas variam de acordo com a vazão, largura do rio e local selecionado. Logo, as dimensões das turbinas influenciam diretamente no valor da potência instalada e no custo/ benefício de cada instalação

Também é viável que no mesmo rio sejam instaladas mais de uma unidade, tornando a relação de custo/benefício ainda mais atraente, pois ocorrerão reduções de custos tanto na fabricação, quanto na instalação. Estas reduções estão relacionadas com a estrutura mobilizada para o local selecionado, assim como em alguns dos custos fixos do projeto.

Nos orçamentos que se seguem, estimam-se contingências de 10%, pois os valores inseridos nos quadros da planilha “Instalações, Obras civis e Custos Anuais” são estimados. Os demais itens foram orçados no mercado nacional e internacional.

Para avaliar o valor econômico da tecnologia, o leitor deve levar em consideração principalmente dois fatores:

1. Tempo necessário para a instalação de uma unidade geradora - Este em parte depende das condições no local de instalação, da potência a ser instalada e das características do rio selecionado. Estimamos que uma unidade de 1.000 kWh leve até o inicio de geração de oito a doze meses, especialmente para as primeiras unidades. Isto significa que o tempo de retorno do investimento é mais rápido comparado aos sistemas hídricos convencionais de mesma capacidade energética, que necessitam de pelo menos três anos.

2. O local de instalação não é necessariamente limitado a apenas uma unidade geradora: Unidades podem ser instaladas ao longo do rio desde que respeitado uma distância mínima entre as unidades, permitindo assim que o fluxo do rio retorne as condições iniciais antes do segundo sistema de turbinas.

Em resumo, para cada instalação é importante ter as informações básicas do rio e do local selecionado para que uma análise preliminar seja bem feita. Porém, conhecer a vazão mínima e média anual do rio, as alturas de suas margens e a altura máxima que o mesmo atinge no período das chuvas são as características mais importantes para cálculo da capacidade total de potência a ser instalada.

Por último, precisamos também visitar o local selecionado, ver as condições de acesso e iniciar o orçamento, planejamento e preparação dos desenhos de montagem e de fabricação das turbinas.

Na planilha de custo padrão os seguintes dados foram determinados: uma potência de 1 MWH, geração de energia

durante 350 dias por ano e com vida útil do equipamento de 30 anos.

O rio ideal para instalação desta capacidade deve ter uma vazão media anual de 50 m³/seg, uma largura de aproximadamente 44 metros e margens com alturas de mais ou menos 3 metros.

Na planilha é possível comprovar que o valor do kWh instalado varia de acordo com a potência total instalada, ou seja, se a potência instalada é maior (em escala), o custo do kWh é menor e se a potência instalada é menor, o custo do kWh é maior.

É também possível alterar os percentuais de financiamento e verificar na parte inferior da mesma os resultados obtidos.

O valor aplicado na célula “I3”, 0%, corresponde ao percentual de financiamento do capital necessário para fabricação e instalação do sistema. Este percentual pode ser alterado conforme a necessidade. O valor correspondente à parcela do financiamento pago mensalmente aparecerá indicado na célula (I47).

O resultado “Percentual de Lucro X Custo Total” para 0% de financiamento poderá ser visto na célula (I71). Esta célula pode ser entendida como a receita líquida de geração, descontada dos custos operacionais e de capital, pelo custo total.

Após o preenchimento dos dados em branco, que compete ao investidor, é possível visualizar nas últimas linhas da planilha o custo do kWh instalado (D72) e do MWH (D73).

Os percentuais para contingências, capital de giro, custo para mão de obra, serviços de terceiros, consultoria, treinamentos e custos eventuais deverão ser determinados pelo investidor. Estes irão variar de acordo com a região e local de instalação.

Para a primeira unidade é necessário a inclusão do custo da fabricação das fôrmas para fundir as peças fabricadas em concreto, porém quando estas estiverem prontas, serão reutilizadas e o custo amortizado em outras instalações. Estes valores são diluídos automaticamente na planilha caso seja alterado o número de unidades instaladas.

A planilha não leva em consideração os custos eventuais com impostos, taxas e/ou tributos que possam incidir sobre a atividade, pois entendemos que esses dependerão da estrutura de capital e societária dos projetos a serem realizados.

Elaborado por: Wilson Pierazoli Filho